segunda-feira, 24 de junho de 2019

A Rainha de Copas


- Cortem-lhe a cabeça! Cortem-lhe a cabeça!

Nem mesmo o autor de Alice no País das Maravilhas poderia imaginar que a sua personagem, a Rainha de Copas, havia pulado fora da História, ou melhor havia entrado para a História.

Depois de servir como atendente direta de Mussolini fabricando-lhe pizzas de fina massa trabalhadora, rapidamente ascendeu na maldade e foi ser assessora de Hitler, e grande incentivadora da solução final.

Com o fim do nazismo fugiu de jangada para a Argentina onde esteve a serviço dos generais até naufragar com um destroier nas costas das Malvinas. A coisa ruim veio a nado e veio dar com os costados na Uberlíndia.

Ali fixou-se como emigrante ilegal, até que vendendo um dos anéis de ouro que possuía conseguiu um visto de trabalho. Trabalhou muitos anos como aparadora de restos nos centros de tortura da Uberlíndia. Tendo até recebido a medalha de mérito por relevantes serviços prestados à humanidade, se é que se podia chamar de humanos aquele amontoado de gente da Uberlindia que quando não estavam atirando e matando-se uns aos outros estavam completamente anestesiados andando pelas ruas como zumbis com a cara mergulhada em smartphones.

Por uns breves anos na Uberlíndia teve que retornar à condição semiclandestina, quando passou a trabalhar como piniqueira – lavadora de pinicos – no Motel Bahamas.

Mas a sorte lhe sorriu a passou a ser ama seca, muito seca, do seco rebento do vampirão seco que imperava na Uberlíndia e que por ser muito velho deixava a Imperatriz na maior secura.

Dali para ser ela mesma a Rainha de Copas de sempre, foi um passo, melhor ou pior ainda: agora não era apenas A Rainha De Copas havia se transformada numa hidra de sete cabeças, por isso era difícil identificar seu nome, ora era um nome, ora outro. Como uma besta apocalíptica gritava após ter conseguido mandar prender um sujeitinho arrogante que ousara ser maior que ela, logo ela de origem autoritária, elitista e aristocrática:

- Cortem-lhe a cabeça! Cortem-lhe a Cabeça!

- Mas Majestade, atreveu-se a lhe orientar um puxa saco que havia sido ministro da Cultura. Assim como a Bolívia não tem mar, mas tem Ministro Marinha, assim a Uberlindia tem Ministro para isso e para os vexames de sempre.

- Majestade já está um pé no saco este tal de cortem-lhe a cabeça. Muito monótono, e depois cabeça cortada é maldade pouca, acaba o sofrimento logo.

- Tem razão, rosnou a Rainha. Prendam-no.

Mas é pouco. Predam-no num espaço pequeno. Mas ainda é pouco.

Prendam-no isolado de todos.

É pouco...hummm proíbam as visitas... nem o rei de Roma, nem o rato que roeu as roupas da rainha de Roma podem visita-lo ah e não toquem mais no nome dele, em nenhum jornal, rádio ou televisão. E quem o fizer será preso e processado. Deixem-no preso por algumas décadas. Mas se isso não quebrantar-lhe o ânimo então não tem outro jeito a não ser seguir o conto da Alice, Cortem-lhe a cabeça!

Afinal a Uberlíndia não é também chamada de o País das Maravilhas?

Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; blogdobemvindo.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.