segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Difícil É Ser Simples

Tão simples e tão bonito

A grande colega Fernanda Montenegro certa vez falando sobre dramaturga disse que em se tratando de representação o “difícil é fazer o simples”.

Hoje eu vou mais além: difícil é ser simples.

Ser apenas isto: simples. Deixar de lado os labirintos da mente duvidosa; deixar de lado a soberbia e aquele ar de “eu sou mais importante que você”. A vaidade advinda de cargos honoríficos, ou de diplomas de doutor. A arrogância adquirida pelo fato de ser uma “celebridade’ ou até mesmo uma “subcelebridade”, termo que por si só assemelha-se a uma medalha no peito do medíocre metido a famoso.

Ser simples, nada mais.

Se atentarmos para o milagre que é estarmos vivos sobre um planeta rochoso que gira sobre seu próprio eixo e viaja pelo espaço infinito a uma velocidade incrível...apenas isto deveria bastar para que fôssemos cada vez mais simples. De uma simplicidade que só a humildade permite.

Mas como é difícil. Difícil é fazer o simples. Difícil é ser simples, quando pode ser tão fácil...

Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; blogdobemvindo.blogspot.com.br Foto: James Byng em "The Woman in Black"

Um comentário:

  1. Concordo. E costumo repetir: o difícil é ser simples. Gostei do texto.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.