segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

A Injustiça de Cada Dia


Leio no jornal um caso inusitado. Aliás os jornais estão cheios de casos inusitados. Um cidadão honesto foi roubado em seus documentos. Não registrou a ocorrência. Um desonesto praticou crimes usando seu número de identidade, e resultado: o honesto está na cadeia há anos tentando provar sua inocência.

Sobre o ladrão preso não fizeram fotos, não fotografaram nem registraram seus documentos, então tudo ficou indicando que o honesto motorista era o culpado, que há anos luta para sair da cadeia.

Existem no País milhares e casos similares. Ajustiça é lenta, os presos na maioria das vezes não tem recursos para a defesa...e segue a cadeia para os justos.

Por pouco minha mulher não passou por caso semelhante. Há alguns anos teve sua bolsa furtada num supermercado. Nela todos os documentos e talão de cheques e cartões. Fui com ela à delegacia e lá me informaram que para casos como esse não faziam mais boletim de ocorrência (talvez uma forma de diminuir as estatísticas de roubo nesta Cidade à beira de uma guerra civil).

Passadas semanas liga um policial para minha mulher e pede que ela compareça à delegacia para testes grafológicos, interrogatório, etc. já que o ladrão (ou ladra) havia feito compras numa loja com seu cheque. Até provarmos que focinho de porco não é tomada levamos boas semanas indo e vindo à delegacia para se explicar. E a polícia forçando a barra para ressarcir a loja – o “delegado” prestava serviços de segurança à loja e longe disso, já que nossa polícia é honestíssima) até arrancar-nos algum “extra”.

Portanto se tiver documentos furtados não vacile, faça ocorrência – é obrigatória que a delegacia aceite, caso contrário vá à Corregedoria – de todo o furto ou roubo, de todos os documentos, e cheques e cartões. Tome todas as providências pois vivemos num mundo onde os honestos pagam pena e os criminosos riem da gente.

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.