segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Um Pote Cheio de Orgulho e Mágoa


Sabe aquela pessoa da família que às vezes por causa de uma bobagem deixa de falar contigo e se afasta e com ela vão os filhos, e toda a família dela? Por mais que você procure, peça desculpas, tente consertar as coisas ela não abre mão da posição que tomou? Sabe o que é isso? Orgulho. E mágoa. Dois venenos da alma. Venenos que se alastram pelo organismo social ou familiar. Mas que terminam por matar o próprio orgulhoso, o próprio magoado. Já disse alguém que a mágoa é como tomar veneno e esperar que o outro morra. Digo o mesmo para o orgulho.

Outro dia briguei com um amigo de longa data por puro orgulho. Como é difícil manter-se humilde e tolerante todo o tempo.

Eu já me perdoei, que não sou bobo, não estou a fim de morrer por mágoa. Mas despertei nele também mágoa e orgulho. Espero que um dia a gente possa se perdoar.

Pra começar a perdoar o outro você tem primeiro que perdoar a si mesmo. Tirar de si todos os ressentimentos, mágoas, e sobrepujar seu orgulho. Render-se à sua humilde condição humana. Afinal a nobreza não consiste em ser superior aos outros, mas em ser superior a si mesmo.

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com
Foto: Peça Teatral "Inocência Roubada" (Marco Bocão)

Um comentário:

  1. Adorei o texto. Perfeito e verdadeiro! Valeu! abraços, linda semana,chica

    ResponderExcluir

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.