segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Nem Sempre a Maioria É Sábia

Hitler tinha o apoio absoluto da maioria do povo alemão

Os regimes políticos sobre os quais se baseia a nossa Sociedade é reflexo exato das nossas crises emocionais, da nossa incapacidade de sermos racionais, e de desejos carnais desesperados por Poder e Ganância.

Certa vez uma atriz francesa me disse que se o povo francês não desejasse a Alemanha jamais ocuparia a França. Ocupou pela omissão do povo. Enquanto patriotas lutavam e resistiam a maioria pensava em trabalhar e ganhar o pão de cada dia, mesmo que o pão tivesse gosto amargo do nazismo.

Nos sistemas políticos o que hoje é verdade e consagração, amanhã é mentira e vergonha. Em 1934 o regime nazista alemão cassou a nacionalidade alemã de Albert Einstein. Isto não mudou nem um átomo nas suas descobertas, na sua busca científica. Vergonha para o governo alemão nazista.

Corroborando o que me disse a amiga francesa, na data de hoje, em 1936 a Alemanha realizou um plebiscito, e 99% dos eleitores aprovaram o regime nazista. O regime nazista não pé fruto de um louco apenas. É fruto da loucura de toda a sociedade alemã da época. A maioria absoluta. O que nos leva a meditar que por ser maioria, certas escolhas nem sempre podem estar certas.

A massa é facilmente manipulável, sobretudo em tempos de crise se “salvadores” acenam a ela com a possibilidade de mais prosperidade e fartura.

A mesma massa que apoiava Mussolini aplaudiu que ele e sua amante fossem linchados e pendurados de cabeça pra baixo até a morte.

E assim seguimos nós, à mercê dos interesses gananciosos de políticos inescrupulosos, servindo de bucha de canhão para manobras políticas que nem imaginamos, mas que estão acontecendo no Brasil e em todo o mundo enquanto lemos este artigo.

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Um Pote Cheio de Orgulho e Mágoa


Sabe aquela pessoa da família que às vezes por causa de uma bobagem deixa de falar contigo e se afasta e com ela vão os filhos, e toda a família dela? Por mais que você procure, peça desculpas, tente consertar as coisas ela não abre mão da posição que tomou? Sabe o que é isso? Orgulho. E mágoa. Dois venenos da alma. Venenos que se alastram pelo organismo social ou familiar. Mas que terminam por matar o próprio orgulhoso, o próprio magoado. Já disse alguém que a mágoa é como tomar veneno e esperar que o outro morra. Digo o mesmo para o orgulho.

Outro dia briguei com um amigo de longa data por puro orgulho. Como é difícil manter-se humilde e tolerante todo o tempo.

Eu já me perdoei, que não sou bobo, não estou a fim de morrer por mágoa. Mas despertei nele também mágoa e orgulho. Espero que um dia a gente possa se perdoar.

Pra começar a perdoar o outro você tem primeiro que perdoar a si mesmo. Tirar de si todos os ressentimentos, mágoas, e sobrepujar seu orgulho. Render-se à sua humilde condição humana. Afinal a nobreza não consiste em ser superior aos outros, mas em ser superior a si mesmo.

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com
Foto: Peça Teatral "Inocência Roubada" (Marco Bocão)

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Chega de Estresse


A maior parte da responsabilidade pelo nosso estresse diário provém das nossas vãs tentativas de controlar as ações da vida.

Estamos sempre ansiosos tentando nos antecipar ao resultado dos atos que vão se configurando em nossas vidas. Queremos antecipar os resultados. Queremos o controle absoluto a partir da nossa vontade de tudo que se passa à nossa volta. Daí o estresse. Não dianta. Por mais que tenhamos desejos e vontades, os fatos e atos ocorrerão da forma que tiverem que ser, no tempo certo, na medida apropriada.

Podemos sim tomar atitudes que ajudem o desfecho dos fatos que vão surgindo, mas não podemos em última análise “passar o carro na frente dos bois”.

Temos pacientemente que aguardar que as coisas se resolvam, no tempo certo, por mais esforços que façamos.

Tentar avançar no tempo antecipando resultados é que nos causa profundo estresse e que acaba contaminando nosso organismo com cargas negativas de hormônios e humores vários.

Gratidão deve ser nossa postura diária se quisermos fugir do estresse. Gratidão. Agradecer sempre pela vida que temos, buscar sempre bons pensamentos e alegria, pois isso produz em nós serotonina e dopamina, substâncias que fazem bem ao nosso organismo físico, e por consequência ao nosso espírito.

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com
Foto: Lina Abyad, Atriz em performance e diretora de "But I Love You" (Bassam Al Zoghby)