segunda-feira, 2 de maio de 2016

Humor – Food Truck: A Idosa Confusa e a Filha Prostituta


A modernidade, a revolução cibernética, e sobretudo a neocolonização globalizada cria fantasmas na cabeça de gente simples.

Dona Marina, é uma senhora já setentona, que mora em Cordovil, a bem da verdade: depois do valão de Cordovil. Cordovil, pra quem não conhece o Rio é um bairro do subúrbio, de gente pobre e trabalhadora - o que aliás, e uma redundância já que nunca vi trabalhador rico.

Mas Dona Mariana estava desconsolada. Veio me procurar chorosa pra tentar entender o porquê do desvio de conduta da sua filha Rhayanne que ela criara com tanto zelo e esmero. A caçula, logo a caçula, desviar-se desta forma, aos 35 anos!

Pergunto a ela o que houve.

- Vai virar prostituta. Não sei o que deu nessa menina. Acho que foi “trabalho” feito por alguma inimiga, assim o pastor Malafita me disse. Mas o “seu” Claudio do Detran me disse que é por causa da crise que a Dilma mergulhou o País; Dra. Maria Tereza que é ”pisicóloga merendeira ” da escola municipal me disse que pode ser trauma pós-operatório, ela operou uma hérnia “belical” há um ano atrás.

- Sim, mas o que se passa?

- Rhayanne vai virar prostituta. Eu vi o papel!

- Que papel?

- Da Prefeitura. Faz o cadastro na Prefeitura.

- A Prefeitura está cadastrando moças pra trabalharem como prostitutas?

- Deve ser por causa da Olimpíada. Me disseram que japonês ainda gosta de mulher.

- Mas que papel é esse Dona Marina?

- Uma licença pra trabalhar na zona. Eles vão indicar a zona onde ela vai trabalhar. E ainda por cima não é honesto, é pra enganar os fregueses, é na base do truque, eu vi lá escrito: fode truque (disse ela abrasileirando as palavras)

- Ah, Dona Marina, é o Food Truck (Fud Trock, repliquei eu)

- Tanto faz que sotaque tenha meu filho, Vai trabalhar de puta num caminhãozinho na zona. E a Prefeitura é que vai dizer em que bairro. Tomara que pelo menos seja aqui perto do valão, que assim ela pode vir almoçar em casa, tomar um banho e descansar as pernas antes de voltar.

- Dona Marina, sossegue, é a nova onda, comida em vans, caminhonetes, comida de primeira.

- E eu não sei? Minha filha é muito bonita, uma comida de primeira. Ninguém vai reclamar. Mas o que me incomoda mais ainda é que ele a vai ter que dividir os ganhos com a Prefeitura. Em que mundo vivemos, Jesus!? O Prefeito carimbando a prexeca das mulheres!!

Não teve jeito de convencer Dona Marina, deixei-a ir de volta ao seu mundo além valão. Com o tempo ela vai entender. Contanto que a filha possa vir almoçar em casa.

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com;

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.