segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Adeus às Ilusões

Richard Burton e Elizabeth Taylor no filme "Adeus às Ilusões".

A sabedoria e a beleza de Drummond de Andrade pontua o caminho do meu viver nestes tempos de maturidade.

Quando vejo as guerras religiosas explodindo no mundo em nome de Deus... quando vejo Arruda e Garotinho como preferidos do eleitorado... quando vejo os que se aproximam de mim com doces palavras apenas para tirar proveito... quando vejo a estúpida violência da polícia e do crime organizado, matando por um nada...quando vejo a vaidade , o egoismo e o individualismo do meu próximo...quando depois de 60 anos vejo que o Brasil continua a terra das maracutaias...
quando vejo que os governos e os políticos pouco se iteressam pela Cultura, menos ainda pela Educação...quando vejo a total perda de ética e pudor por Partidos que dizem representar justamente a ética e o pudor...quando vejo tantas coisas mais, chega o tempo de dar Adeus às Ilusões e Drummond me representa:

Os Ombros Suportam o Mundo

Carlos Drummond de Andrade

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.
E os olhos não choram.
E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
És todo certeza, já não sabes sofrer.
E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
Teu ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.
Alguns, achando bárbaro o espetáculo,
prefeririam (os delicados) morrer.
Chegou um tempo em que não adianta morrer.
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
A vida apenas, sem mistificação.

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com;

4 comentários:

  1. Basta olhar o Planalto.
    Tenha uma boa semana

    ResponderExcluir
  2. Mundo: um eterno paradoxo!
    Lindo post!

    ResponderExcluir
  3. Putz, adoro este filme, meu clássico favorito de Liz Taylor...Faço minhas, tuas palavras, o que mais precisa ser feito para termos uma reação..."os ombros suportam o mundo e ele não pesa mais quea mão de uma criança". Resistimos.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.