segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Frango Frito ou Fried Chicken? Que Língua Falamos?

A colonização cultural do Brasil através da língua é motivo de preocupação e indignação de muitas pessoas, públicas ou não.

Chega ao ponto de criarem um lema: "Halloween é o cacete!Viva a Cultura Nacional". Mas o que é cultura nacional? O samba (Angola) a literatura, e o teatro? Gregos. A Festa do Divino (Portuguesa). A Congada (africana). O Carnaval? Veneziano.

Qual a demarcação clara entre o que é genuinamente nacional e o que é a nossa adequação ao Mundo?

Nossa língua português brasileira é repleta de estrangeirismos.

Sem falarmos em todos os vocábulos africanos e indígenas que herdamos, ainda há os romanos, os franceses, e agora mais que nunca os ingleses , ou "americanos".

A vantagem , já dizia Oswald de Andrade é que somos antropofágicos.

E até nos nomes próprios devoramos e regurgitamos em língua pátria:

Máique (Mike) Máicon (Mycon) Uóchintom (Washington) Uélintom (Wellington) Raiana (Ryanna) Deivisson (Davidson) e por aí vai.

As palavras estrangeiras vão se adequando à língua. Imaginem se ainda chamássemos "Restaurante" de "Casa de Pasto"?

Até Raminegues eu já vi estrito em lanchonete.(Ham and Eggs).

Acho que nem adianta brigar por isso.

Alface vem do árabe; Estádio vem do latim antigo; Diálogo, é grega; Executivo, vem do inglês;Fanfarrão vem do espanhol; Faniquito vem do árabe...Judô é japonesa...Mandioca é Tupi...Pra não citar o Futebol e o Basquete.

A questão é confiar no nosso povo. Ele é quem faz a língua. E o faz sabiamente.

Uma língua que não se renova é língua fadada a desaparecer.

Pior que a adulteração da língua é a pobreza cultural em que vivemos hoje.

Em tempos de globalização e cultura de massas a coisa engrossa ainda mais.

Perguntei à uma aluna adolescente se ela sabia quem tinha sido Trotsky. Ela disse:

- "Quem?"

Aí mostrei a foto dele pra ela.


E ela respondeu na hora:

- "Ah, sei... é o velhinho do Fried Chicken".


Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com;

10 comentários:

  1. Brilhante seu texto e importante a sua preocupação. E repito: Haloween é o cacete. Nosso folclore é muito mais rico. Já escrevi isso: 'A língua de um país deve ser respeitada ao nível do próprio hino e da própria bandeira'. Abraço. Sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Estou de acordo com o Carlos.
    É um belo texto e a ignorância dos nossos jovens é uma coisa assustadora.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderExcluir
  3. Pra rir se não fosse verdade !!! Gostei do texto! abraços, obrigadão pelos carinhos , lindo dia!chica

    ResponderExcluir
  4. Pior que tudo isso é a gramática que vem mudando a cada dia.Os jovens estão matando o português abreviando frases e esquecendo das concordâncias rs...
    Nois foi ali ( isso é um grito nos meus ouvidos) rs...

    Um lindo dia pra vc e obrigada pelo carinho =)

    ResponderExcluir
  5. O Brasil é um paradigma de aculturação mais Lusa, sabe-se o jeito que os irmãos brasileiros têm para têm para enriquecer a língua. Exemplo antes da TV Globo, aqui dizia-as bicha, se, se referisse a fila, e para referir homem gay. Depois aqui se almoçarmos, na maioria das cidades do Algarve é certo e sabido, todas têm "chicken" na ementa.
    A influência de língua e não só, dos bastantes povos Portugal, veio a projetar-se no Brasil, Depois a escravatura, mais a de Angola, também teve influência na língua e nos ritmos. Como por exemplo: TAMBOR DA CRIOLA, no Maranhão e etc. e etc....
    Mais no Nordeste...
    Seja, como for, com a brasilinidade a Língua, como património da Lusofonia enriqueceu-se, pese embora os muitos galicismos, que cá e lá vêm aparecendo.
    abraços
    abraços

    ResponderExcluir
  6. Achei delicioso o seu texto. Foca um aspecto muito importante que é a aculturação mas que agora é chique dizer-se, globalidade.:) De caminho vamos ficando mais pobres e desconhecedores da História dos povos e da sua Cultura.

    Um grande abraço.

    Olinda

    ResponderExcluir
  7. Estrangeirismos sempre existiram em nossa língua. Há correntes que entendem que eles atrapalham a língua e outras que trazem benefícios, não passando de um empréstimo linguístico. O importante é a sobrevivência da nossa língua e o respeito ao português coloquial.
    Endosso a sua assertiva, no sentido de que ..."Pior que a adulteração da língua é a pobreza cultural em que vivemos hoje"

    Ótimo texto.

    Grata pela amável visita.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Querido blogueiro, que texto legal, eita quiz dizer sensacional...a nossa lingua portuguesa realmente é complicada.
    Com certeza sairei daqui desta página maravilhosa muito mais sábia.
    Agradeço pela visita ao Perseverança.e seu comentário tão gracioso.
    Parabéns por sua postagem.
    Excelente semana e um fraterno abraço.
    Nicinha

    ResponderExcluir
  9. Muito interessante seu texto. Os estrangeirismo existe e às vezes entram na linguagem comum... Você diz bem "Uma língua que não se renova é língua fadada a desaparecer".
    Em português nos entendemos...
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Dificilmente a língua é pura. Eu não tive muito estudo, pois meus pais não me deixavam sair da cidade, mas depois de casada perdi o estímulo, mas embora não tivesse emprego que ganhasse fortuna foi o suficiente de entupi meu único filho de livros. Era pequenino e já colecionava os economistas e pensadores, foi naquela época que toda semana vendia nas Bancas de jornais um livro por semana e um era reservado para mim e valeu a pena.
    Gosto de ler mais uma leitura mais simples.Hoje ele é tudo o que sonhei para ele.
    Abç
    Minicontista2

    ResponderExcluir

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.