segunda-feira, 22 de junho de 2015

A Saia-Calça e o Preconceito dos Cariocas

Pois é. logo os cariocas, este povo tão alegre., que nos parece livre de preconceitos, avançado ...pois logo os cariocas nesta data, em 1911, vaiaram e agrediram uma mulher por que ousou sair às ruas trajando uma jupe-culotte.

Mas o que seria uma jupe-culotte? Nada mais nada menos que apenas uma saia-calça como a da figura abaixo.


O preconceito (pré-conceito) é coisa arraigada em cada segmento social, senão em toda a sociedade.

Quando Twiggy, a modelo inglesa, lançou a mini-saia também foi um Deus-Nos-Acuda.

Leva tempo, mas os conceitos mudam.

Agora mesmo estamos aí vendo o Vaticano às voltas com a escolha de um novo Papa que enfrente as mudanças pelas quais passou a sociedade nas últimas décadas...

Lembro-me da estupefação que causou a troca do hábito secular pelo terno de clérigo, na década de 60 no Brasil.

Hoje os padres andam até de bermudas nas suas paróquias,e isto não lhes mudou os votos feitos.

Quando eu era menino morava na Ilha do Governador, no Rio.

Nossa vizinha, Aglaé , que tinha um casal de filhos da minha idade, era o escândalo da Ilha.

Tudo porque pegava e saltava do bonde andando.

Quando ouvíamos aquela algazarra vindo da rua sabíamos que ela acabara de pegar ou saltar do bonde.

O bonde da Ilha

Claro que minha mãe não me deixava brincar com seus filhos...por causa do bonde?

Não, pior ainda: porque a vizinha era desquitada. E mulher desquitada não prestava como companhia, quanto mais seus filhos.

Os colégios católicos não aceitavam matricular filhos de pais desquitados.

Pra vocês verem como os conceitos que hoje defendemos de forma tão arraigada são temporais.

A sociedade muda, e com ela os costumes. Ainda bem.

Como diria Dorivaldo, minha personagem em "Dona Xepa": "O Tempora! O Mores!"

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com;

11 comentários:

  1. Ainda bem que os preconceitos estão a desaparecer uns mais depressa que outros.
    É bom vivermos numa sociedade mais justa e livre.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordamos plenamente contigo, Francisco!

      Abraços Atemporais!

      Excluir
  2. Boa tarde, acredito nas novas gerações para diminuir os preconceitos, numa sociedade livre devemos respeitar cada um e o seu pensamento, no entanto acredito que os preconceitos nunca vão desaparecer enquanto a igreja católica mantiver a influencia mundial que presentemente tem, a favor dos preconceitos.
    AG
    AG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade! Assim como a tecnologia, as novas gerações estão cada vez mais modernas, mas isso é uma faca de dois gumes para nossa sociedade.

      Que DEUS te abençoe!

      Excluir
  3. Isso aí, amigo. O novo se nos apresenta todos os dias, estejamos prontos e aptos para ele. E nioo não combina com preconceito... porque o preconceito é velho. Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Carlinhos!

      Querido Mineirinho!

      É verdade, amigo! Concordamos com você!

      Que DEUS te abençoe!

      Abraços Atemporais!

      Excluir
  4. Pois é... acho que evoluímos, pelo menos neste quesito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Evoluímos, mas não 100%.

      E achamos que nunca chegaremos.

      Pois o preconceito é um grande bloqueio na mente das pessoas.

      Que DEUS te abençoe, Aninha!

      Abraços e Beijos Atemporais!

      Excluir
  5. Dicen que todo tiempo que pasó es mejor. Me quedo con la evolución actual. Cariños.

    ResponderExcluir
  6. O tempo mais longo de todos é o das mentalidades. É por isso que os preconceitos demoram a desaparecer...
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. O preconceito sempre vai existir se leva tempo para aceitar algo diferente.... Beijo Lisette.

    ResponderExcluir

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.