segunda-feira, 25 de maio de 2015

A Doçura dos Doces de Cora Coralina

Cora Coralina

Tive o prazer e a honra de ter conhecido pessoalmente a poetisa Cora Coralina.

Uma das maiores poetisas brasileiras.

Eu a conheci em sua casa em Goiás Velho, ex-capital de Goiás.

Entre uma poesia e outra ela era confeiteira de primeira.

Fazia docinhos deliciosos para vender a quem fosse visitá-la.

E era uma dama. Eu, inávil, como a maioria dos jovens.

Foi em 1978.

Encantado com a seu carisma resolvi perguntar:

- Qual a sua idade.

Sabem o que ela me respondeu, para nunca mais eu esquecer?

- Não se pergunta idade a uma dama! Mas eu vou lhe responder: eu tenho todas as idades!

Aninha e Suas Pedras 
(Poema de Cora Coralina)

Não te deixes destruir… 

Ajuntando novas pedras e construindo novos poemas.

Recria tua vida, sempre, sempre. 

Remove pedras e planta roseiras e faz doces. 

Recomeça.

Faz de tua vida mesquinha um poema. 

E viverás no coração dos jovens e na memória das gerações que hão de vir.

Esta fonte é para uso de todos os sedentos. 

 Toma a tua parte. 

Vem a estas páginas e não entraves seu uso aos que têm sede.

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com;

7 comentários:

  1. Cora Coralina é já ela, uma doçura só! Adoro! abraços,chica e linda semana!

    ResponderExcluir
  2. És um privilegiado em falar com essa mulher admirável. E que experiência linda ela passou nessa simpática resposta. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Que lindo, amei a postagem, Cora Coralina, pura sabedoria!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Eu tinha apenas 10 anos quando ela partiu, mais nunca esqueci seus belíssimos poemas e que apenas aos 10 anos eu já lia com grande prazer. Tem uma citação dela que me inspira muito e que marcou muito alguns momentos de minha vida:

    “Desistir... eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério; é que tem mais chão nos meus olhos do que o cansaço nas minhas pernas, mais esperança nos meus passos, do que tristeza nos meus ombros, mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça.”

    ResponderExcluir
  5. Vitória Oliveira26 de maio de 2015 14:34

    Muito sábia e dona de lindos poemas
    Era muito sabia...em seus pensamentos ela sabia bem o que dizia quando escreveu

    ““Mesmo quando tudo parece desabar, cabe a mim decidir entre rir ou chorar, ir ou ficar, desistir ou lutar; porque descobri, no caminho incerto da vida, que o mais importante é o decidir.””

    Sempre que me deparo com decisões sérias em minha vida repito este verso comigo estas mesmas palavras

    ResponderExcluir
  6. Gracias por compartir ese gran poema.

    ResponderExcluir

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.