segunda-feira, 6 de abril de 2015

Relembrando Mestre Walter Avancini


Em todas as atividades há mestres, e Mestres.
Walter Avancini foi um destes Mestres, com M maiúsculo.

A Televisão brasileira até hoje se ressente da sua falta.
O Grande Mago da telinha.

O Diretor de "Grande Sertão, Veredas";"O Rebu"; "Saramandaia" ; "Morte e Vida Severina" para citarmos algumas das suas magistrais direções na TV.

Eu fui dirigido por ele a primeira vez em "Tocaia Grande" na Rede Manchete, depois veio "Mandacarau" com a personagem Zebedeu, entre outras obras.

Zebedeu, o Imperador do sertão

Não era um homem generoso de imediato, mas possuía uma grande visão e ideal humanista. Foi membro do Partido Comunista, e participou ativamente do Sindicato dos Artistas de SP.

Era um homem extremamente ansioso com a sua criatividade, extremamente angustiado para que as coisas corressem bem. Queria que trabalhássemos até 24 horas seguidas, mas que o capítulo saísse bem, vencendo todas as adversidades climáticas; de luz; de câmeras,;da pobreza da produção ou da emissora; das limitações dos atores.

Não guardava rancor, mas possuía uma raiva especial da impotência porque passa um criador diante dos limites humanos. Não se pode criar fazendo concessões aos limites. E ele propunha romper o limite dos atores, dos técnicos e dele mesmo. Sempre.


Compreendia a alma humana. Tinha horror das frescurinhas burguesas. "- A vedete quer um camarim só pra ela com salmão no almoço, e carro limusine? Dá o que ela pede. Preciso desta gente na novela."

Muito mais poderia continuar descrevendo o Avancini, mas manda a estética do blog que a lauda seja curta e obbjetiva.

Qualquer dia me estendo mais, já que desde 26 de setembro de 2001 - nos ressentimos da sua ausência no cenário televisivo brasileiro.

Foi meu grande Mestre na arte de representar em TV.

Presto a ele hoje esta homenagem.

À memória e à obra do Mestre Walter Avancini os aplausos de todos que viveram suas obras, quer trabalhando nelas, quer como espectadores.

José Dumont em "Morte e Vida Severina"

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com;

5 comentários:

  1. É mesmo assim, ele deixou legado rico e você com sua linda sensibilidade expõe aqui nos fazendo recordar!
    Amei ler!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  2. É sempre com certo agrado, que tomo conhecimento da humana grandeza, dos rasgos de sensibilidade que alguém nos deixa como legado. Mormente do espaço da Lusofonia.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. O que seria de nós sem as nossas recordações, recordações boas que marcaram a nossa vida, que fazem parte de nosso alicerce de nossa estrutura, uma delícia ter vindo aqui e ter encontrado esta homenagem, queria ler mais você escreveu de forma leve, sobre alguém que foi sem dúvida um marco, parabéns abraços Luconi

    ResponderExcluir
  4. Se vive de recordações, abraço Lisette.

    ResponderExcluir
  5. Há pessoas assim. Ninguém ocupa o lugar que era delas...
    Um beijo.

    ResponderExcluir

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.