segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Os Sertões da Casa Grande e da Senzala


Curiosamente a data de hoje nos remete ao lançamento de duas obras literárias que retrataram o Brasil e nosso povo de forma irretocável.

Duas obras que serviram de base para teses e mais teses de mestrado, doutorado, quer em Sociologia, que em História, Antropologia, Literatura etc. etc..

São elas : "Os Sertões" de Euclides da Cunbha e "Casa Grande e Senzala" de Gilberto Freyre.

"Os Sertões" dá início ao que se chama de Pré-Modernismo na literatura brasileira, revelando, às vezes com crueldade e certo pessimismo, o contraste cultural nos dois "Brasis": o do sertão e o do litoral. O escritor-jornalista Euclides da Cunha critica o nacionalismo exacerbado da população litorânea que, não enxergando a realidade daquela sociedade mestiça, produzida pelo deserto, agiu às cegas e ferozmente, cometendo um crime contra si própria; o que é o grande tema de Os Sertões. Em tom crítico, também mostra o que séculos de atraso e miséria, em uma região separada geográfica e temporalmente do resto do país, são capazes de produzir: um líder fanático e o delírio coletivo de uma população conformada.

Através de "Casa Grande e Senzala" , Freyre destaca a importância da casa grande na formação sociocultural brasileira, bem como a da senzala que complementaria a primeira. Além disso, casa grande e senzala dá muita ênfase a questão da formação da sociedade brasileira, tendo em vista a miscigenação que ocorreu principalmente entre brancos, negros e indígenas.

Neste livro o autor também tenta desmistificar a noção de determinação racial na formação de um povo no que dá maior importância àqueles culturais e ambientais. Com isso refuta a ideia de que no Brasil se teria uma raça inferior, dada a miscigenação que aqui se estabeleceu. Antes, aponta para os elementos positivos que perpassam a formação cultural brasileira composta por tal miscigenação (notadamente entre portugueses, índios e negros).

Publicado em 1933, 31 anos após "Os Sertões" (1902) de certa forma rebate o que poderia em Euclides vir a ser considerado como exaltação ao embranquecimento do brasileiro.

As duas obras merecem e devem ser lidas por todos os jovens que pensam o Brasil. Por todos os brasileiros que realmente queiram saber em que País vivem.

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaboraram: Bemvindo Sequeira; entretenimento.r7.com;
Foto: Edson Cardoso em "A Negra Felicidade" by Guga Melgar

2 comentários:

  1. É uma vergonha o que vou dizer, mas ainda não li "Os Sertões" nem "Casa Grande e Senzala". Espero poder adquirir essas obras em breve para lê-las. :)

    Abraços,
    Nina & Suas Letras

    ResponderExcluir
  2. Muito didáctico este post. Obrigada.
    Beijo.

    ResponderExcluir

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.