segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

O RACISMO NA ARTE CIRCENSE


Você sabia que a tradição circense não admitia palhaços ou artistas negros?

Neste sentido o Palhaço Benjamim, negro, foi precursor da democratização e da luta anti-racismo nas artes cênicas brasileiras.

O Palhaço Benjamim, como era conhecido, mantinha um circo e depois um pavilhão no início do século XX no Campo de Santana, no Rio de Janeiro, e era muito bem sucedido em suas apresentações.

Veja Benjamim nas fotos abaixo:



Talvez, por ser negro e circense, poucos registros se fazem dele ainda hoje.

Benjamim abriu caminho para gerações de artistas negros honrarem o Brasil:

Grande Othelo, Chocolate, Abdias do Nascimento, Zózimo Bulbul, e muitos outros precursoes que ainda nos deleitam com sua presença como Léa Garcia e Milton Gonçalves, pedindo perdão se não cito todos, tamanha a lista que Benjamin abriu.

Escrito Por Bemvindo Sequeira

Colaborou: Bemvindo Sequeira e entretenimento.r7.com
Fotos: Google Imagens e favim - ESUNAFOTOGRAFIA.TUMBLR.COM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.