segunda-feira, 25 de novembro de 2013

A ARTE NÃO É IMPORTANTE?


É sempre engraçada a reação das pessoas quando você diz que faz arte, a primeira pergunta que lhe fazem é: – E você trabalha com o quê? Ora, fazer arte é o meu trabalho! Parece mentira, mas se você não é famoso, as pessoas custam a acreditar que a arte seja muito mais do que um simples “hobby”. É difícil explicar que fazer arte também é importante e é um trabalho.

Mesmo que você exerça uma outra atividade para suprir suas necessidades, visto que, pelo fato de circunstâncias alheias à sua vontade, sobreviver de arte ainda não lhe seja possível e nem possibilite uma dedicação plena de sua parte, você sabe o quanto a arte é importante, quantas privações ela te submete, tudo por você acreditar que pode viver de arte e exercer esse ofício como um trabalho.

Mas as pessoas… bem, as pessoas, sentadas em suas zonas de conforto, preocupadas apenas em nascer e morrer, se deliciam com a arte, mas não conseguem enxergar a importância que a arte tem, até mesmo para suas vidas, que se beneficiam de uma forma ou de outra com o que a arte lhes tem a oferecer, pois a arte está ali, no filme, na novela, na peça de teatro. É tão importante para vida delas que elas nem percebem o quanto.

Pois no inconsciente dessas pessoas, a arte é algo que alguém faz apenas como diversão própria e para o próximo e não como um trabalho honesto que lhes dê o sustento de vida. A idéia de trabalho industrial incutida na sociedade, onde jornada de trabalho diária, relógio de ponto, terno e gravata, macacão e ferramentas, que formam a imagem do que seja um trabalhador, contribui, e muito, para o quase desdém pelo trabalho que o artista faz.

Mal sabem essas pessoas, que os trabalhos artísticos demandam uma rotina de trabalho, disciplina, organização e longas jornadas, quase sempre exaustivas, de trabalho, seja escrevendo um texto, seja ensaiando uma peça, seja gravando um filme ou novela. Fazer arte não é diversão, é trabalho e trabalho muito duro. O fato de sua execução ser efetuada de forma e ser feita fora de uma sala de escritório, não o torna menos importante.

A arte também é essencial, tal e qual a quaisquer outras profissões, só que a arte conta com um diferencial positivo, que outras profissões não contam: a arte é um trabalho que alguém faz para oferecer ao outro, um pouco de diversão, fazer com que o dia-a-dia de todos seja mais leve e que as rotinas das pessoas preocupadas apenas em nascer e morrer, receba um pouco de sopro de vida. A arte é, ou não é importante?

Escrito por Paulo Sacaldassy

Colaborou: Poucas Palavras de Paulo Sacaldassy; Foto: Ryan Stewart, Corinne Van Ryck de Groot e Arle Michel em cena do espetáculo "Torn"

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

QUANDO A HISTÓRIA NÃO CONVENCE


Como já foi dito por muitos, contar uma história não tem receita, não adianta conhecer os caminhos das pedras, já ter feito muitas histórias de sucesso, que não vai conseguir enganar ninguém com um arremedo de história. Não se pode querer contar uma história, apenas por contar, mesmo porque, a história quem conta é a própria personagem.

E personagem rasa, com história comum, não interessa a ninguém. Quem quer saber o dia-a-dia da vida do vizinho, se já sabemos que lá, tudo é sempre igual? É assim na dramaturgia. Sem um estado de transformação com necessidade de ser modificado, nenhuma história interessa. E não adianta o assunto abordado, por mais interessante que seja, se não tiver conflito e movimentação, não vai para frente.

Há novelistas que acham que, por fazerem parte de uma indústria, podem produzir em escalas, histórias de amor que vão encantar o telespectador. Ledo engano. O que aguça o Ser humano e o faz acompanhar uma novela, é uma história que o conquiste todos os dias e, que acima de tudo, tenha o básico de dramaturgia, um conflito a ser resolvido pela personagem em um estado necessitado de transformação.

Não se pode começar uma história pelo seu tema, por um assunto, ou por algo de grande relevância que se queira contar. Tudo isso é pano de fundo na vida da personagem que vive um dilema. Falar de violência, de tráfico, de doença, seja lá qual for o assunto, se não for através do drama de uma personagem, a história não convence. Ajudar a personagem a colocar sua vida no lugar, é o que impulsionada a vontade de acompanhar uma história.

É assim no livro, no teatro, no cinema e na televisão, dramaturgia não tem muito segredo, desde que você parta do drama de uma personagem para a história e não da história, para o drama de uma personagem. E outra coisa é muito importante em uma história, tudo que a movimente, tem que, necessariamente, desaguar na resolução do conflito da personagem.

A história tem de funcionar como um aro de bicicleta, onde esses aros, mesmo separados, convergem para um mesmo raio de uma mesma roda. Histórias, que não se movimentam tal qual uma roda de bicicleta acabam por derrubar a personagem, por serem tortas e disformes. Quando se quer contar uma história que convença, temos que expor o drama, o conflito e os caminhos que farão a personagem encontrar a sua redenção.

Portanto, ao começar escrever uma história, devemos pensar primeiro no conflito da personagem e não no assunto que queremos abordar, pois é através da busca da resolução do problema de nossa personagem, que contaremos a história, uma história que convença. Caso contrário, não haverá o que salva a sua história do fracasso.

Escrito por Paulo Sacaldassy

Colaborou: Poucas Palavras de Paulo Sacaldassy; Foto: Kiko Marques, Denise Fraga, Júlia Novaes e Kauê Telloli em cena do espetáculo "Sem Pensar"