segunda-feira, 22 de novembro de 2010

DO PAPEL AO PALCO


Quando começo a escrever um texto, seja ele adulto ou infantil, o processo desde a concepção da idéia até o ponto final no texto pronto, sempre é diferente, a única coisa que não é diferente é o trabalho que dá, muito embora para mim, seja por demais prazeroso. A complexidade de se contar uma história através de diálogos, não é nada fácil.

Depois de muito trabalho e algumas noites mal dormidas, visto que, o sono, volta e meia é atrapalhado pelos conflitos dos personagens e pelo rumo que a história deve tomar, consigo pôr o ponto final.

Pronto, mais um texto terminado. Nada disso! Agora vem a principal parte para mim, a leitura do texto. Minha esposa é a primeira leitora, e que tanto ler e reler meus textos, se tornou a principal crítica deles, e confesso: ela pega pesado. Pois bem, depois de várias leituras, muitas folhas imprimidas e rasgadas, e inúmeras correções ortográficas e de estrutura cênica, tenho o texto pronto, lido e relido. Enfim, mais um trabalho concluído.

Mas, e daí? O que adianta ter o texto concluído sem ter como encená-lo? Pois, texto de teatro só é teatro em cima do palco, de outro modo, não passa de Dramaturgia, não é mesmo? Para quem faz parte de um grupo de teatro, a tarefa acaba sendo facilitada, já para quem não faz, como fazer para ver sua história em cena?

Durante anos, não tinha como divulgar meus textos, apenas mostrava-os para alguns amigos, está certo que sempre tive um certo medo de expor o que eu escrevia, hoje já superado, graças a Deus. Com a internet e os sites de relacionamentos consegui enfim, ter um bom espaço de divulgação para os meus textos, e através desses canais de comunicação, inclusive esse site, pude ver montados dois de meus textos e espalhar o meu trabalho Brasil a fora.

Acontece que me deparei com um dilema que até então não havia dado conta, ceder gratuitamente os direitos de meus textos para vê-los encenados ou cobrar pela cessão desses mesmos direitos? Durante muito tempo, o que eu mais queria era ver meus textos no palco, isto já me bastava, mas, com o tempo, refleti: se quero viver da minha dramaturgia, necessito ter um mínimo de valorização, pois escrever um texto é um trabalho árduo e como tal, merece ser remunerado.

É certo que as dificuldades de se montar um espetáculo são grandes e os incentivos quase nenhum, e que muitas pessoas despendem o seu tempo para fazer teatro em grupos amadores, apenas pela divulgação da arte, e posso atestar que conheço muito bem esse universo, pois por um bom tempo fiz parte de um. Só que acho não haver nenhuma dificuldade em se pagar pelos direitos autorais, pois os mesmos, quase sempre, são pagos através da bilheteria, sem onerar em nada o espetáculo. Então, por quê alguns insistem em não pagar? É claro, que cada caso é um caso, e é certo, que não só eu, mas como outros dramaturgos, não se negarão a liberar a cobrança dos direitos autorais para projetos sociais.

Acredito que, por menor que seja a remunaração pelos direitos autorais, ela é justa e representa um estímulo para todos que se dedicam a dramaturgia, uma arte quase marginal. E contrapondo um ditado popular, nem só de arte vive o homem, ele necessita do pão. E o caminho entre o papel e o palco é longo, difícil e quase sempre sem oportunidades.

Todos nós, que de alguma forma estamos ligados ao teatro, vivemos pela arte, mas seria melhor se todos conseguissemos viver da arte que se faz.

Escrito por Paulo Sacaldassy

Colaborou: Oficina de Teatro; Foto: Espetáculo "Manifiesto de Niños" (2008)

4 comentários:

  1. E viva a arte, viva o teatro, viva essa magia!!!
    Bom diaaaaaaaaaa!!!
    BeijosssSSSSS

    ResponderExcluir
  2. Olá,meus queridos!
    O espaço da arte é universal e o da dramaturgia é muito específico, pois vai ganhando vida enquanto se vai lendo, vivenciando o texto... e a imaginação...a criatividade dos movimentos, da expressão... é fantástico! Tudo vai ganhando "vida" na vida de quem recebe aquelas "vidas", entende?
    É singular: Do papel ao palco... Gostei!
    É uma estrada que depende de quem encarna e consagra-se ali, diante do "papel" propriamente dito.
    É uma viagem... Transcendental.

    Ei, Clemente...
    Que legal você morar aqui pertinho de Fortaleza!
    É... quem sabe um dia nos encontramos por aqui ou por aí? Iria ser um imenso prazer! Peeense!
    Fortaleza é muito linda! Já conhece?

    Olha,Me sinto muito grata a você por seus
    comentários em meu blog.
    Olha, como disse um grande amigo: é muito legal se sentir querida e ser premiada com tanta gentileza.
    Um grande cheiro pra ti.
    Luciana.

    ResponderExcluir
  3. Tem selos de presente pra você no meu blog
    Ventosnaprimavera.blogspot.com

    Se desejar pegue também o selo oficial do meu blog, está na lateral,

    ResponderExcluir
  4. Bom diaaaaaa Cia Atemporal....
    Já era tempo de responder o desafio heim (risos)!!!
    Vocês são um grupo bem sólido e realmente integrado, consciente do que faz! Isso é perfeito.
    Sinto-me honrada por aceitarem o desafio e obrigada por mais uma visita super hiper mega cordial no blog!!!
    Cada vez que vocês passam por lá, deixam mais vida e isso me alegra mais!
    Desejo a vocês muito sucesso, que continuem com este propósito e que Deus continue abençoando a todos como fez até aqui!
    Um grande beijo
    Dagui

    ResponderExcluir

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.