sábado, 17 de abril de 2010

AOS OLHOS DO PÚBLICO OU DO CRÍTICO?


Sempre que se pensa em colocar um espetáculo nas ruas, muitos fatores são e devem ser analisados. Mas, o que mais interessa é ter a consciência de estar fazendo um trabalho com a mais pura honestidade. Desde a escolha do texto, passando pelo elenco até chegar à direção do espetáculo. E o que se quer afinal? Ora, se quer os aplausos do público!

E é isso mesmo que interessa. Qualquer outra resposta é puro discurso politicamente correto para fugir de eventuais insucessos. Agradar o público é o principal objetivo de quem monta um espetáculo, e não adianta dizer que não. E a palavra da crítica, como fica nessa história? Se vier para ajudar, muito que bem! Mas se tiver apenas o caráter pichador, deixe-a, não lhe acrescentará nada.

Dizer que um espetáculo é bom porque foi aprovado pela crítica é conversa fiada, pois desde quando a opinião e o gosto do crítico traduzem a opinião e o gosto do público? Quantos espetáculos são aclamados pelo público e desprezados pela critica? Se o crítico não entendeu, paciência. O que interessa e sempre vai interessar, é a opinião do público.

Ter a certeza que se fez o melhor que se foi possível (sim, pois ás vezes não se tem recursos para se fazer o mínimo). É o que basta. E tê-lo feito para o público e não para crítica (pois, existem muitas coisas feitas exclusivamente para agradar a crítica) já é o suficiente para justificar a sua produção.

Vise sempre dirigir um espetáculo para conquistar o público. Escreva sempre para conquistar o ator, atue sempre para conquistar a platéia. Esqueça a crítica, pois na maioria das vezes, aos olhos da crítica, nada presta. O “gostar” é uma coisa muito subjetiva na vida das pessoas e não se agrada à todos, não tem jeito.

Se por acaso, algum dia, a crítica lhe “tascar” a lenha, não lhe dê muito importância, continue firme no seu propósito de levar a sua arte da maneira que você ache a mais honesta possível, pois, a crítica... Bem... Essa, volta e meia também muda de opinião. É só o público aclamar o espetáculo como divino, para o que antes era besta, passar a ser bestial.

Aos olhos do público, não interessa o que vê os olhos da crítica, pois o público é inteligente, sabe discernir o bom do ruim. E é assim que deve e tem de ser, fazer arte para o público, se a crítica gostar, muito que bem, mas se não gostar, paciência!...

Colaborou: Oficina de Teatro; Foto: The Royal Shakespeare Company's Courtyard Theatre Is A Must For Theatre Lovers

11 comentários:

  1. Beijos para essa linda companhia!

    ResponderExcluir
  2. Vim agradecer carinhosamente sua presença, comentário e seu seguimento ao meu blog. Estou muito feliz, muito obrigada de coração!
    Seu blog é maravilhoso!!!
    Bem, uma campanha extremamente importante.
    Aplausos de pé!!!
    Deus abençoe você e seus entes queridos.
    Beijos no coração.
    Com apreço,
    Cely.

    ResponderExcluir
  3. oi clemente =)
    esse texto é muito legal ;)
    o blog esta lindo, lindo, lindo... =?
    clemente, divulgue noticias! senao eu fico triste... =(
    beijão para voce e para gloria =+
    franciny

    ResponderExcluir
  4. PERFEITO....
    Nunca escolho ou decido uma peça de teatro, cinema, livro ou qualquer coisa pela opinião de meia dúzia de críticos "especializados" em determinado assunto.
    O que agrada a minha alma, nem sempre agradará a de outra pessoa e vice-versa.
    Vou pelo meu radar....rs
    E geralmente acerto!

    beijos

    ResponderExcluir
  5. qundo temn materia nivas

    ResponderExcluir
  6. Olá muito obrigada por ser minha seguidora e ter amado o meu blog. Agora vou te seguir e a todo tempo por o blog é culto, inovador, apaixonante e maravilhoso! Parabéns pelo sério e belo trabalho! Pabaréns guerreiros e perseguidores e conquistadores de um sonho que se tornou realidade! Sempre vou ao Rio de Janeiro e quando eu estiver por ái vou conhecê-los e apreciá-los, podem contar comigo! Vou me sentir honrada com você em Ribeirão Preto,SP, no Teatro Pedro II, o 3º maior Teatro de Ópera do Brasil, com capacidade para 2000 pessoas, construído na década de 30, em plena crise econômica do café. Durante 30 anos teve glamour e depois em 70 transformou-se em mero cinema, em 78 o prédio foi abandonado em em 80 sofreu incêndio. Ficou à mercê do descaso do poder público, mas diante de protestos da sociedade local e da orquesta sinfônica de Ribeirão Preto o prédio foi tombado em em 82, em 90 iniciou-se sua restauração e modernização e hoje o Teatro Pedro II é maravilhoso, com muita cultura diária.
    Abraços e fiquem com DEUS!

    ResponderExcluir
  7. este blog esta fora de serie!
    parabens p todos dessa compnhia!
    beijos do Nordeste!

    ResponderExcluir
  8. beijos do nordeste! o nordeste é atemporal!

    ResponderExcluir
  9. Hola soy Nati y he estado visitando tu blog y me ha pareciso encantador,he podido encontrar en el algo que nunca he encontrado en ninguno eres TÜ, te Felicito y me quedo como tu segidora y una candidata a tu amistad.
    Enhorabuena y si pasas por mi blog de premios y bajas un poquito con el ratón puedes cojer unos cuantos de premios.
    Tengo un blog al que me gustaria invitarte a que conozcas se llama;"Los Cuentos de Nati".
    Si te gusta y quieres quedarte sera un honor para mí.
    Hasta pronto un beso Nati.

    ResponderExcluir

A Cia. De Teatro Atemporal agradeçe os seus comentários.